O preconceito ainda existe e não é pouco

Hoje de manhã, em um grupo de uma rede social me deparei com essa seguinte postagem

Uma forma de preconceito tão baixa, tão desnecessária sabe… agora uma mãe solteira não agiu de modo moral e por isso  não saberá criar o filho? Calma lá amigo, ser imoral é fazer sexo antes do casamento ? É ter coragem de ter um filho e não cometer o assassinato vulgarmente chamado de aborto? Ser imoral é saber que existe uma sociedade que se esconde atrás de rótulos e preferir assumir suas atitudes ao invés de viver uma vida infeliz?

É realmente a imoralidade ainda está em pessoas que tem um preconceito tão bobo quanto esse. Quantas mães casadas não tem filhos fora do casamento, aliás quantos homens casados não tem outros filhos fora do casamento e não assumem pois preferem viver uma vida rotulada em mentiras com medo do que sociedade irá falar.
É difícil ser mãe solteira pelo fato de tanto preconceito gerado mas a tarefa da maternidade se torna simples quando você recebe um sorriso maravilhoso pela manhã, um beijo inesperado, um abraço apertado…

Aprendendo com o bebê

Sabe, durante a gestação eu fiquei pensando e muito como seria criar um bebê, nós infelizmente nos baseamos em coisas que vemos na televisão e realmente não é tudo tão verdade assim.
Eu pensava : ” A vai ser fácil, não é tão difícil assim” mas na verdade é.
Quando a Alice nasceu parecia uma miniatura, de tão pequena que era (isso que todo mundo”mães” diziam que ela era grande), eu tinha medo de mexer nela, de quebrar algo sei lá, era tão molinha e a cabeça? Nossa tão molinha, a moleira sempre subindo e descendo quando mamava que agonia. Muitas vezes ela chorava e não tinha “motivo” para mim e o choro me incomodava por eu não saber o que era, dizem que mãe sabe o porque o filho está chorando, HOJE depois de 2 anos que ela nasceu eu sei muito bem diferenciar os choros, mas um bebê com dias eu não conseguia.
Cuidar do umbigo dela foi a coisa mais dura que eu fiz, eu tinha medo de estar machucando ela, toda vez era aquela coisa… vou estar machucando minha filha mas sabe eu nunca machuquei até o dia que o cordão caiu e eu fiquei em choque, chorei porque tinha perdido o “laço que nos unia” mas fui tão leiga que não pensei que nós nunca perderíamos esse laço.
Muitas e muitas vezes eu coloquei a fralda ao contrário, só me toquei quando fui fechar e tive que mudar o lado, não foi descaso nem nada, era falta de hábito.
O sono… eu sempre via se ela estava respirando, sempre foi um sono tão tranquilo que eu tinha medo de ter acontecido algo com ela, sempre colocava a mão perto do seu narizinho para ver se estava respirando.
Não é fácil ser mãe… mas eu amo muito esse meu lado.
Ser mãe é ficar preocupada 24 horas, rir e se estressar em fração de segundos.. e aprender que o riso é sincero, que as palavras saem com dificuldade mas se você fizer um esforço você vai acabar entender.
Ser mãe é amar acima de tudo… é educar, dar bronca quando preciso, brigar , rir, assistir filme, tomar banho de gorfo, senti o xixi vazando… é ter uma vida sua fora do seu corpo.
Bebês não vem com manual de instruções, com uma regra básica de como cuidar, cada mãe sempre vai criar seu filho da sua forma.. mas pra entender o seu bebê você tem que estar disposto a aprender com ele, a entender suas formas, e ai tudo flui.