Falando sobre o futuro papai da gravidez

Contar para o pai do bebê que está grávida, não é uma tarefa
fácil, ainda mais quando o relacionamento acabou mas é um direito da criança e
do pai em saber da existência um do outro.
No meu caso eu e o pai da bebê tínhamos terminado há pouco mais de 15 ou 20
dias, ambos já estavam com outra vida , outras ideias mas as regras atrasaram e
não tinha como esconder isso durante muito tempo.
Então quando vi que atrasou , ele foi a primeira pessoa a
quem eu recorri, mandei uma mensagem dizendo que não havia vindo  ainda aquele mês, me lembro que ele disse “Sério,
meu por que será?”, naquele momento eu 
vi que ele também não podia imaginar da gravidez, e ai eu comecei a
contar que havia passado mal e que estava estranha e disse que compraria um
teste de farmácia, naquele momento ele ficou meio mudo, assim como eu só disse,
me avisa o que o exame der.
Eu fui a farmácia lembro que comprei um Engov e comprei o teste de farmácia, e
assim foi. Chegando em casa mandei uma mensagem para ele dizendo que havia
comprado o teste e que faria e fiz, e o que deu positivo!
Eu não podia demonstrar reação mas minha vontade era de morrer aquela hora, e
mandei mensagem para ele contando tudo, a noite no mesmo dia fiz outro exame no
shopping aqui da cidade e só confirmou deu positivo.
Lembro que ele também ficou ressabiado como eu podia estar grávida, sendo que não
tínhamos mais relação mas ele tinha certeza que era dele, e era mesmo.
No outro dia como contei em outro post eu fui fazer o exame de sangue e nessa
confirmação eu não tinha outra reação a não ser chorar, meu amigo que  estava comigo na hora do exame que falou com
o pai da bebê, dizendo que eu não parava de chorar e não sabia o que faria.
E para minha surpresa o pai da bebê disse que estaria do meu lado para tudo,
confesso que fiquei meio assim na hora mas sabia que era o direito dele saber
sobre o filho ou filha que teria.

Algumas pessoas me perguntaram por que eu não
levei a gravidez adianta sem contar nada para o pai eu realmente acho errado
para ambos os lados (criança e pai) não saberem da existência um do outro, eu
não tinha feito o bebê sozinha tão pouco aguentaria as cobranças que ele faria
quando crescesse e tenho certeza que sentiria uma culpa eterna se não tivesse
falado.