A primeira reação

A minha primeira reação, foi um misto de alegria,medo,
ansiedade, frustração.
Alegria em saber que dentro de mim eu tinha uma vida que era carregava o meu
DNA, carregaria meu nome e teria um pouco de mim eternamente.
Medo em como seria cuidar de um bebê, eu no auge dos meus 21 anos , como seria
cuidar de um bebezinho indefeso que não falaria se eu machucasse sem querer,
que não avisaria quando estivesse com fome, que ficariam horas a fio acordadas
durante várias madrugadas. Medo do parto, medo de morrer no parto (sim eu sei é
meio bobo, mas eu sempre tive medo de operações de grande porte e no fundo eu
sabia que eu teria que fazer uma cesária, mas isso eu deixo para outra postagem),
medo de como seria a minha vida dali para frente, do preconceito que eu teria
que enfrentar dos olhares tortos.
Ansiedade para saber como seria o meu neném, qual a cor dos olhos, do cabelo, o
jeito que falaria o jeito que daria risada, se seria destro ou canhoto, se
seria menina ou menino, ansiedade para querer comprar tudo logo e eu pegar no
colo, sentir o cheiro.
E uma enorme frustração que minha ignorância me submeteu ter: de não ter dado
uma família para minha vida.
Na verdade isso passou com o tempo, essa frustração, entendi que família ela tem
só não é tradicional como as outras mas que ela tem todo amor do mundo por ela.